Sintonizados na Era do Rádio. Foi assim o começo desse papo.

Ele ouvia futebol pelo rádio, desde criança. Subia no pé de goiabeira pra narrar o jogo pros amigos. Dividido entre o amor pela terra e a comunicação, ele escolheu o jornalismo. A locução e a paixão pelas ondas do rádio, foram mais fortes.

Estou falando de Gilvan Nunes, Casado, Pai de dois rapazes, apresentador e editor chefe do Bom dia AL, Radialista, torcedor do Asa e Tuiteiro assíduo. Madrugador na rotina, ele começa a tuitar cedo. Informa, diverte e interage com o público.

O radialista nos recebeu no estúdio da radio gazeta FM. Gilvan trata as pessoas com um respeito legítimo. Brinca sem perder o bom senso. Os amigos no trabalho, perguntam: “qual vai ser a piada de hoje?” O jeito brincalhão não ultrapassa os limites pessoais. Reservado, ele evita se expor demais no uso das redes sociais.

Paizão, ele é do time que leva os filhos na escola, conversa sobre sexo, internet, drogas e rock’n roll. Arapiraquense com orgulho, ele faz questão de dizer de onde veio. A ligação com as raízes é revelada pelo tom da voz, pelo carinho no olhar.

Antes de chegar, imaginei que iria passar por uma cerca enorme de segurança até chegar nele. Engano meu. Apenas um telefonema da recepção e o porteiro me acompanhou até a sala dele. Em poucos minutos, estava eu, dentro do estúdio, que nem criança espiando o brinquedo do outro, que é sempre mais legal que o nosso. Acessível, gentil, Gilvan me recebeu como se me conhecesse desde sempre. Estou certa que isso é fruto da relação de longos anos com os ouvintes.

Torcedor apaixonado pelo Asa, ele tomou uma decisão consciente quando decidiu que não seria jornalista desportivo. Confessou que não conseguiria separar, nem ser imparcial. O menino que entrava no campo de futebol na ‘era do liso’ (nos últimos 15 minutos antes do jogo terminar, o estádio abria os portões pra quem não podia pagar o ingresso) não comete excessos. Carrega no olhar a tranquilidade de quem escolheu viver uma vida fazendo o que ama. Comunicar é o que dá sentido a sua vida. A locução é a sua linguagem com o mundo.

Ele diz que tem um gosto eclético, mas não gosta de música pobre. Gilvan é uma das pessoas mais confiantes que já entrevistei. As perguntas são respondidas com segurança, tranquilidade e simplicidade. Embasadas pelos anos vividos. Em tom provocativo, pergunto: “Entre quatro paredes e no twitter, vale tudo?”  Com segurança ele responde: “Sim! O twitter é jornalismo, é interatividade, é vida pessoal. Mas, tudo precisa ser tratado com respeito pelo espaço do outro. Sem violentar a opinião quando ela diverge. Assim como na intimidade, o respeito é fundamental.” É o segredo, segundo ele.

Acompanhando a evolução dos meios de comunicação, desde sempre, ele conta como era há uns anos atrás  a mesa com cartuchos, muito mais botões do que hoje, ele passeia na tecnologia com maestria. Eu que pensei que eu era multitarefas. Enganei-me de novo. @GilvanNunes faz cinco coisas ao mesmo tempo, fala ao vivo no rádio, não se perde nem erra e ainda consegue me dá atenção. Fico impressionada.

Ah, ele é vaidoso! Tirei várias fotos até achar uma que ficasse boa. Mas tudo com muito carinho e gentileza. Quando pergunto sobre o tamanho do assédio, ele brinca dizendo: “O verdadeiro twitter está na DM”. Diz que recebe mensagens inteligentes, de bom gosto, mas lida com isso com tranquilidade.

Defensor da era infinita do rádio, ele acredita que esse meio de comunicação vem evoluindo com o tempo e com as tecnologias, e que não vai acabar tão cedo. Vamos ouvir rádio pela internet, mas não deixar de lado. A qualidade sonora da AM precisa acompanhar a qualidade da FM, ele faz questão de enfatizar. Esse ‘Papo Tuiteiro’ foi pra mostrar a importância e abrangência do microblog que caiu nas graças de todos os meios de comunicação.

O @PapoBlogueiro de hoje entrou em sintonia com a locução de Gilvan Nunes. E você, está esperando o que pra acompanhar essa locução também pelo twitter? São apenas 140 caracteres de diversão e informação com @GilvanNunes.

Até o próximo Papo!

abraços,

@PaulaMontnegro

Esse papo será ao vivo e transmitido pela internet.

O Próximo #Ebalagoas (nome pelo qual ficou conhecido o Encontro dos Blogueiros de Alagoas) será dia 31/08,  a partir das 19h na Fan FGV (faculdade de administração e negocios) que fica na Rua Barão de Jaraguá, 254 (Próximo a Praça dois leõs, naquela rua por trás do armazem usina).

Lá iremos nos reunir com todos os blogueiros e amigos que desejarem participar das discussões e do encontro que visa fortalecer e mobilizar a blogosfera alagoana, e comemorar o dia Internacional do Blog.

As discussões acontecerão na sala de aula e na biblioteca da instiuição, com transmissão pela internet para todos que não puderem comparecer, onde os convidados aproveitarão pra responder as perguntas e comentários de todos.

O encontro acontece nesta data, em comemoração ao dia Internacional do Blog e pra marcar a data aqui em Alagoas, daremos o inicio as votações do Prêmio Alagoano de Blogs, que está em sua segunda edição, e cujas inscrições ainda estão acontecendo.

A programação do evento consiste em:

19h – Abertura e boas vindas

19:15h – Mesa de discussões com o tema: “Dimensões da Prática Ciberativista” Com @Ronadfar @NoGomes e @Marques_JM (Aberto a perguntas e respostas)

20h – “Rentabilidade em blogs: É possível ganhar dinheiro blogando?” Com apresentações de @JoaoKepler, @Cleitonmixx e @Tiago_Nogueira. Participação especial de @Lulavilar como mediador da mesa de discussões.

21:30h – Abertura oficial das votações do II Prẽmio Alagoano de Blogs que conta com Apoio da @Id5web. Iremos mostrar como será o processo de votação com Orientação de @Eekdcat

22h – Encerramento

Faremos sorteio de alguns brindes para os que puderem estar no local do evento.

Todos os momentos das dicussões serão abertos a perguntas. Queremos a participação ativa de todos os presentes ou de todos que estiverem acompanhando a transmissão. Esse encontro é feito por nós e pra nós!

Confirme sua presença na página do evento no Facebook.

Até o Próximo #papoblogueiro, ao vivo, no dia Internacional do Blog!

@PaulaMontnegro

O primeiro capítulo dessa novela, mais parece filme de conto de fadas moderno. Mais pelo drama, do que pela perfeição. Das lágrimas aos sorrisos, sem medo da intensidade da história.

Sim, estou falando de Valná Dantas, 23 anos, Publicitária, redatora, blogueira, especialista em marketing, Diretora editorial da Revista Due, ganhadora do I Prêmio Alagoano de blogs na categoria Mulher, ela não tem medo de viver cada capítulo da sua vida. A menina que nasceu pra escrever, compôs em diários, desde pequena. E eles se tornaram virtuais.

Conselheira sentimental, amiga, dedicada, ela faz carinho com o olhar. Brinca com a literatura sem perder a compostura. Se revela sem medo, se joga no abismo das palavras que soam como confidência, e escala a montanha da realidade de volta. Arma o barraco do amor, vira ‘Maria do Bairro’ nos contos amorosos do blog, e no final, recupera a compostura, retoca a maquiagem e sai sorrateira. Ficamos sem saber se ela viveu ou fantasiou cada texto que publica. Parece até que resgatou a alma do abismo da solidão e decidiu ser feliz.

Valná escreve uma verdade meio velada, meio consentida. A veia melancólica faz par com a simplicidade. Pessoalmente, ela não se esconde entre as palavras. Usa o dom de escrever a seu favor. Ela é tão transparente que eu fico pensando em como irei desvendá-la. Minha função no @papoblogueiro está fadada ao fracasso nesse post de hoje. Não há o que eu possa fazer pra contar as pessoas quem é @ValzinhaaDantas. Ela é doce, espontânea, afaga com as palavras, trata as pessoas tão bem que a gente sente vontade de dizer: “Moço, embrulha pra presente que eu vou levá-la pra casa.”

A base familiar compôs essa história. Ela poderia ter se tornado mais uma menina rica e mimada. Mas carrega em si a simplicidade de quem sabe de onde veio, de quem reconhece no outro a importancia de ser tratado por quem se é, e não pelo que se tem. Quando fala no avô (já falecido), os olhos ganham o brilho que só as lágrimas trazem ao nossos olhos. É emoção sem volta.

Pra escrever sobre Valná eu resgatei meus amores perdidos no passado. Ouvi Chico Buarque em Paris, Caetano Veloso, Roberto Carlos das antigas, rasguei a seda pras paixões arrebatadoras. Quase solucei. Porque não há verdade sem entrega. E eu não poderia falar dela com meias verdades.

Falando em paixão, a Due é uma delas. Ela comprou a briga e o desafio pela revista, junto com a sócia Larissa Dantas, com uma dedicação fora do comum. A ‘menina legal que não tá te dando mole’, é uma empreendedora séria e competente. Escolheu fazer o que ama e não se contenta com pouco. Está sempre buscando a excelência no trabalho e é atenta aos detalhes. Cada página conta uma história dessa novela de sucesso que ela decidiu que a Revista Due seria. Como leitora e fã, eu só leio e aplaudo.

O blog a deixou com fama de namoradeira e bem resolvida. Tudo balela? Eu não diria. Mas ela criou sim, um muro de proteção a sua volta. Ser legal e não dá mole se misturou com ‘o sou legal e estou te dando mole’, de um modo que os pretendentes se sentem ameaçados. ‘Namoradeira’ apenas por defender a importância do namoro e de uma vida afetiva feita de paixão. Bem resolvida? Descubra se for capaz de desvendar seus segredos, se conseguir escalar o muro.

Conversar com Valná foi desvendar os muros que a cercam. Eles são de tijolo aparente. Você quase pode enxergá-la completamente, mesmo que não a consiga alcançar. Na dúvida? Pule o muro. Leia a história. Assista o capitulo da novela. Não tenha medo de fazer parte dessa história.

O final dessa novela pode surpreender a todos nós.

O @PapoBlogueiro de hoje foi com Valná Dantas. Enquanto você vive, ela escreve as histórias que deseja viver.

Até o próximo Papo.

abraços,

@PaulaMontnegro

E a partida começa.

Na época da escola, ele começou o jogo da vida se defendendo da diferença. O menino de classe média baixa, sempre estudou em bons colégios, convivia num meio que não era o seu. Pra se defender, virou o mais danado, o ‘líder da gangue’. E os talentos naturais começaram a aparecer, desde então.

Estou falando de Fabrício Medeiros, 33 anos, Líder nato, Palestrante, Professor, Blogueiro e Gerente Nacional de vendas na Multidoor.

O humor sarcástico é um traço forte. Ele contou as histórias da sua vida me fazendo gargalhar e refletir. Fabricio não passa despercebido. Polêmico, controverso, criativo, trabalha muito e leva a sério o que faz. Ciente do poder que sua liderança exercia sobre as pessoas, ele decidiu que o talento sem esforço é em vão. Estudou bastante, fez MBA em marketing, questionou as respostas prontas,  aprendeu com as histórias que não são tão bonitas, e ainda mais, com as carregadas de verdade.

Audacioso, ele se defende atacando. Os fracassos são troféus que carrega como sinônimo de aprendizado e maturidade. O jeito sempre polêmico, quase o tornou um colecionador de desafetos. Mas a controvérsia vem aliada ao senso de justiça e a briga também é, por um mundo melhor. Pra ele e pras pessoas a sua volta.

Amigo leal, competitivo, Fabricio tem um brilho especial. Nós fomos colega de colégio há muitos anos atras. De lá para cá, perdemos o contato. E quando o revejo, percebo que o garoto ativo, esportista, líder na escola, amigo de todo mundo, virou gente grande. Quando ouço ele falando, penso nos meus sonhos e objetivos na vida, e me vem a mente a frase: “é possível”. Estar perto dele significa se inspirar a ter coragem de realizar feitos maiores.

Na partida da existência, Fabricio escolhe um lado pra torcer, brigar e tomar partido. Ele paga o preço de expor o que pensa. E não esconde o jogo.

Seja como professor, palestrante, gerente ou amigo, está sempre ensinando como ele fez pra chegar até aqui, revela que foi atraves dos ‘tapas na cara’ que a vida lhe deu que aprendeu a virar o jogo.

Na conta da vida, ele não pergunta o porque daquele preço, ele pergunta quanto é. E paga.

Provocador, questionador, altamente competitivo, ele não gosta de perder nem no videogame com os amigos. Ele busca a excelência e não se intimida diante de quem é maior.

O ‘homem de ferro’ também tem suas inseguranças, mas não se deixa paralisar. Se ele tiver que entrar numa briga, mesmo sabendo que vai perder, ele não para de lutar. Há quem se intimide diante do jeito dele, há quem seja fã. A verdade é que Fabricio segue na direção contrária, mas está sempre ajudando as pessoas. Pela atitude, pelo incentivo, pela forma como ele conduz com respeito a sua equipe de trabalho, seus amigos, as pessoas a sua volta.

Quando ele fala da atual equipe de trabalho, percebo o sentimento de dedicação e o carinho. ‘Amo minha equipe’, ele faz questão de dizer. Ele cobra, mas toma partido. Defende, compra a briga por justiça, lidera com talento e paixão.

Conversar com Fabrício, é sempre sinônimo de aprender a questionar as respostas prontas e as escolhas impostas pela vida. É pra quem não tem medo de repensar, de fazer parte da mudança, de levar socos no estômago. Inspirado num filme sobre black jack, onde um dos personagens tinha como objetivo não apenas ganhar o jogo, mas quebrar a banca do cassino, ele passou a usar a expressão #quebreabanca com o intuito de fazer com que sejamos motivados a desestabilizar, quebrar a estrutura do que é conservador, abrir uma fenda pra que o novo, o diferente, construa uma outra realidade.

Escritor no blog do Maceio Agora, no portal da FGV e no próprio site, ele é um dos meus incentivadores no movimento blogueiro. Acha o movimento fantástico e produz bastante conteúdo. Além disso, quer publicar um livro sobre suas experiências e aprendizados como lider, negociador e palestrante. E pelo que eu pude perceber durante esse papo de hoje, além de devolver aquilo que recebeu e poder ajudar muitas pessoas, o livro promete ser leitura obrigatória pra quem quer dicas de como realizar grandes feitos na vida.

No papo com @Fabricioambr eu decidi sair de cima do muro. Tomei partido, virei fã. E você, de que lado ficou?

O @papoblogueiro de hoje foi com Fabricio Medeiros. No jogo da vida, ele nasceu pra ganhar!

Abraços e até o próximo papo,

@PaulaMontnegro

Uma criança de meia-idade. Luis Vilar, 31 anos, casado, pai da Bia, blogueiro, pensador por excelência, jornalista, professor, é um dos ‘velhos’ mais jovens que conheci.

Dotado de um humor diferenciado, ele não diz verdades em tom de brincadeira, ele diz o que pensa e simplesmente sorri. O nosso papo foi leve, divertido, já começou com riso solto. De vocabulário extenso, ele não é do tipo que fala difícil e faz pose. Não existe arrogância no tom da voz, nem na postura. Ele é um intelectual às avessas. Amante de café, escreve sobre politica e filosofa com a filha (a pequena Bia Vilar) como se eles tivessem a mesma idade.

Profissional reconhecido no meio jornalistico, ele virou referência. E isso independe de sua simplicidade ao lidar com isso. Ele não gosta dos rótulos e não tem falsa modéstia. Lula é simples no existir. Estar perto dele é sinonimo de discussões sinceras, espontaneidade assegurada e profundidade nas ideias.

Há quem pense que ele opõe resistência, mas ele apenas pensa. Lula tem uma sutileza coerente no uso das palavras. Ele não se omite, mas não agride. Trabalha muito, produz bastante conteúdo e trava uma luta diária com a disciplina. Seu espirito livre tenta se prender apenas a rotina imposta, no restante do dia, ele faz o que a sua natureza clama.

Lula é um high tech analógico. Usuário das tecnologias, ele se prende ao conteúdo do dialogo mais do que a ferramenta utilizada pra isso.

Investigador, comparativo, experimentador. O jornalista e professor de literatura, acompanha a evolução e a modernidade, sem se distanciar do que é antigo. Amante dos trocadilhos, de uma boa prosa, ele escreve poesias no escuro. (não as revela). @LulaVilar fala da familia como quem relata um amor seguro, que o norteia e conduz pela vida.

Colecionador de relógios, ele gostaria de não precisar contar as horas nem medir o tempo gasto.

O jovem, que um dia, marcou na inscrição do vestibular o código 35 (que correspondia a jornalismo) envelheceu ao contrário.Tem jeito de velho, mas é atemporal pelas ideias. Ele só tem 31 anos e a gente interage com ele como se ele não tivesse idade nem tempo. Atencioso com a humanidade, gentil com o olhar, ele conversa pegando emprestado o sotaque e as palavras de quem está perto.

O papo com Lula foi feito de prosa, poesia, café e humor. A vontade é de não ir embora nunca mais, conversar por horas e horas com ele. Esquecer o tempo, pensar o momento e renunciar ao caos.

O @PapoBlogueiro de hoje foi com LulaVilar, um cara que pensa sobre o que fala.

Até o próximo #papoblogueiro.

Abraços,

@PaulaMontnegro

Com 11 anos, ele já fazia negócios. Digitava pra um escritor, amigo do pai, as paginas do livro que o autor escrevia à mão. E começava a ganhar os primeiros trocados. Foi pra rua, trabalhou como office boy na empresa do pai, estudou e morou nos Estados Unidos, ainda moleque.

Estou falando de João Kepler, 42 anos, Casado, pai, empreendedor, visionário, blogueiro, palestrante.

Ele tem cara de bobo, mas não se engane, é só a cara mesmo. Traquino desde criança, as ideias mirabolantes eram mais evidentes pela astúcia do que pela danadice. Acorda cedo e aproveita a inspiração matinal pra escrever.

Determinado, ele não se intimida diante das perguntas, e embasa tudo que afirma. Quando fala dos filhos, o olho brilha, quando menciona o pai o tom é de emoção e admiração. Aprendeu a trilhar ‘o caminho das pedras’ com suas proprias pernas e relembra em tom de gratidão as palavras do pai: “Ali é o rio e tem peixe, a vara vende lá, parece que precisa de uma tal de isca e anzol. Te vira.”

Atento aos detalhes do dia-a-dia, ele encontra as ideias pra escrever no blog, nas coisas que sente, percebe, vivencia. Ele é acessível, mas reservado. Estabelece suas próprias regras e conduz isso de uma forma segura, coerente. Se você tem medo ou receio de chegar perto, não se preocupe. O Empreendedor bem sucedido, trata bem a todos, indistintamente. Mas embase suas ideias, não porque ele irá te tratar mal ou algo do tipo. Antes de ser o cara do mundo business, Kepler é um gentleman, do tipo que é educado desde o berço, como se diz. E a vida o ensinou a ser bem sucedido, também através de seus fracassos e desafios. Portanto, se você sabe do que está falando e o faz com segurança e verdade, fique tranquilo, ele vai perceber.

O blogueiro diz a que veio, não manda recado nem usa meios termos. Não é fácil achá-lo pelo telefone, ele não atende quem não conhece ou não usa o telefone se está ocupado. Como usuário de tecnologia desde cedo, você o achará facilmente pelas redes sociais.

Quando você conseguir enxergar o cara, além do poder e do sucesso que ele tem, não porque nasceu em berço de ouro, mas porque conquistou com muito trabalho e uma boa dose de ousadia, vai ganhar mais do que supõe. Ele consegue ser empreendedor e ter sucesso, pela vontade de realizar com inovação.

Mais do que simplesmente trabalhar, ele adora executar. Pensou em fazer algo? Faça. Realize. Arregace as mangas, seja coerente e transforme suas ideias em algo concreto. É assim que ele faz.

Inusitado, ele faz as coisas que ninguém quer fazer. Acredita, investe, erra e acerta. Joga com a vida sem blefar. Aprende quando erra, aceita o erro e decide que a próxima partida é ele quem vai ganhar.

Outro dia, quando nos encontramos num evento de e-commerce, enquanto tomavamos um café, ele me presenteou com um guardanapo com um carimbo personalizado com o famoso ‘Curti’ do Facebook. Desde então, sempre guardei esse pedaço de papel na minha bolsa. Não o guardei como troféu, nem como lembrança. Mas pelo carinho que o gesto representou naquele momento, e porque pensava: um dia vou conhecer melhor esse cara que ‘curte’ a vida de uma forma tão inspiradora e insusitada.

O @PapoBlogueiro de hoje foi com João Kepler. Enquanto você sonha, ele realiza.

Até o Próximo #PapoBlogueiro!

abraços,

@PaulaMontnegro

A ideia de fazer o #papoblogueiro com alguns tuiteiros famosos, já existe há um tempo. Todo mundo sabe que o twitter é um microblog, onde pessoas de diversas atividades escrevem em poucas palavras, todos os dias, a respeito do que acontece e o que pensam. O poder de concisão em 140 caracteres tem se alastrado, e não serei eu que vou defender o twitter como um blog, ele e seus usuários, já o fazem por si só.

Ela começa perguntando antes de mim, se eu sou daqui. Hábito de jornalista? Cursando o 8º período de jornalismo, @NataliaOSouza é jovem, inteligente, comunicativa. Começou a trabalhar antes de se formar e tem postura e hábitos (responsáveis) de gente grande. Ciente da importância das redes sociais, elas também foram um marco na vida dela. Ela começou a usar o twitter quando o @LucianoHuck nem tinha 100 seguidores ainda, e até já ganhou um Iphone em um sorteio pelo microblog.

Há quem pense que a jovem tuiteira é polêmica, porque ela diz o que pensa. Mas Natalia é diplomática, gentil, bem resolvida a respeito do que escreve e pensa. Ela ganhou muitos seguidores na época do @mcz40, e até hoje encontra pessoas nos lugares, que só conhecia pelo twitter.

Não dá pra abraçar o mundo, mas bem que ela gostaria. Sempre convidada pra trabalhos e projetos desafiadores, ela alega ter dificuldades em dizer não aos convites, o que acaba fazendo com que ela vá dormir altas horas da madrugada, pra colocar seus trabalhos em dia. E ainda encontra tempo pra fazer cursinho e a pesquisa pra o Tcc  sobre o twitter e o jornal impresso. O que parece fazer parte de universos tão distintos, permeia a vida da graduanda em jornalismo. Ela não só trabalha na redação de um jornal impresso, como tem o hábito e adora ler um jornal feito de tinta e papel. E vive no meio digital. Tuitando e pautando pelas midias sociais. No mínimo, alguém muito interessante pra gente bater um papo e conhecer melhor.

Eu, que sou amante de livros e letras, num pedaço de papel, acho o máximo conhecer alguém tão jovem, antenada em redes sociais, e que ainda curte o bom e velho hábito de ler jornal. Há uma discussão na entrelinhas, se o jornal impresso vai ou não acabar. Ela acredita que não! Quem ousa dizer que os livros deixarão de existir por causa dos ebooks?

Determinada, ela conseguiu juntar grana e comprar o primeiro carro. E essa mesma determinação vai levá-la a realizar o sonho de conhecer outros lugares, desvendar os hábitos, a cultura, e o povo de cada lugar. Sonhos que povoam sua vontade de ganhar o mundo. “A vontade de aprender é maior que o prazer de turistar nas cidades”, afirma Natália Souza.

Sim! Ela também já teve um blog. Na época, escrevia pensamentos secretos e poesia. Passada a fase, ela tem projetos de escrever um blog jornalistico diferente. Relatando os bastidores de cada matéria, contando as experiencias interessantes e fatos que não saem na matéria da capa, digamos assim. Ela alega sentir falta de um canal de orientação e informação pra quem está começando na profissão ou pra quem já é veterano também. O projeto tem tropeçado na falta de tempo, mas está na lista de prioridades, então vamos esperar que logo, logo sai.

Natália concilia bem seu papel como cidadã e profissional, entende que a sua imagem no twitter precisa ser utilizada com bom senso. Essa coerência é percebida nas entrelinhas do que ela faz. Com alegria e muita paixão pelo trabalho, ela alia seu espirito investigativo a muita sensibilidade ao perguntar, ou ao tocar em assuntos polêmicos.

E ela diz mais: “Falta incentivo e apoio do governo aos blogueiros e produtores de conteúdo das mídias digitais. As redes sociais não são mais uma mídia alternativa. Vieram pra ficar.”

Engraçado que o #papoblogueiro tem sido contagiado pela presença dos blogueiros/jornalistas. Pura coincidencia, gente! A lista dos blogueiros escolhidos já vem sendo construída desde que o projeto de escrever este blog começou, e nomes interessantes tem surgido de meios diversos. Como parece que esse povo (jornalista) está em todos os lugares, é com muito prazer e carinho que os recebo neste espaço. Ainda tem outros jornalistas que aparecerão por aqui, mas tem blogueiro e tuiteiro de profissões diversas que aparecerão também.

Natália calçando os patins

Eu quero agradecer a @NataliaOSouza pelo carinho e disponibilidade em conversar comigo, nós combinamos um @PapoBlogueiro bem fitness: eu de bike, ela de patins. Não deu muito certo conversar, gravar a conversa, pedalar e patinar ao mesmo tempo, e acabamos sentadas em frente a praia da pajuçara, numa manhã linda de sol. No final, deu tudo certo.

É possível que sua impressão sobre Natália estivesse reduzida a 140 caracteres, mas quem tem a oportunidade de conhecê-la melhor pode perceber que ela é uma menina repleta de sonhos, que acorda todos os dias pensando em como realizá-los, que defende seu trabalho e sua profissão com muita honra e que traz muito orgulho pras pessoas a sua volta. E se a encontrar pessoalmente, não se acanhe em cumprimentá-la, sua gentileza e simpatia irão cumprimentar de volta.

Até o Próximo @PapoBlogueiro (que agora tem twitter também)!

Abraços,

@PaulaMontnegro